RevisTTa
(Momentos Eternos)
O Lago do Cisne
 
Edição TTNeves-Arte de Rivkah
 
 
Editorial
Uma viagem nos sonhos
nas pontas dos pés o bailado do cisne-bela donzela
que precisa de um juramento de amor eterno
para se livrar da maldição do feiticeiro...
 
A grande questão é o que está aprisionado ...
envolvendo a fragilidade humana de Siegfried...

"O universo metafórico, proposto por Tchaikovsky,
pode ser um grande auxílio para refletirmos
na capacidade individual de transformar
"aprisionamento" em sentido de vida. "
 
Talvez seja Tchaikovsky o compositor que mais escreveu para ballet.
Dotado de um temperamento inquietante,
utilizava-se de histórias infantis,contos de fadas,
para fazer um profundo questionamento da alma humana.
03 de setebro de 2006
Maira Thereza Neves
 
 
POETAS:
Dueto: Jorge Linhaça e Guida Linhas/José Geraldo Matinez/Penhah Castro/Caio Amaral/Cássia Vicente/Ilka Vieira/Eliane Triska/Dueto :Wilson de Oliveira Carvalho e Lara Cardoso/Tânia Ailene/Andréa Maia/Elisa Santos/M.S.Cardoso Xavier/Graça Ribeiro/Sérgio Diniz Barros Guedes/Inês Maruci/Véra Lúcia de Campos Maggioni/Ivete Tayar/Candy Saad.
 
 
 
LAGO DOS CISNES

INTRODUÇÃO
Em 1875 Tchaikovsky recebeu da direção do Ballet de Moscou a encomenda de uma partitura. Era para O Lago dos Cisnes, que acabou por aceitar "em parte porque eu precisava de dinheiro e em parte porque há muito queria me aventurar nesse tipo de música." Tchaikovsky já era então conhecido como um compositor genial. Esse fato inegável não conseguiria, porém, garantir o sucesso de sua partitura, quando ela finalmente chegou ao palco do Teatro Bolshoi de Moscou em 1877. A companhia não era das mais fortes; o coreógrafo era Wenzel Reisinger, um austríaco pouco talentoso; a bailarina principal a pouco conhecida Karpakova. Resultado: o primeiro O Lago dos Cisnes foi um retumbante fracasso. Duas produções subseqüentes realizadas em Moscou em 1880 e 1882 não tiveram melhor sorte.
 
NOSSO DOCE AMOR
Jorge Linhaça

1/09/2006


Olhos nos olhos a envolver
almas que se unem enfim
Como é bom te ver assim
e deixar o amor irromper

Teus braços a me afagar
pendurada em meu pescoço
me fazendo sentir tão moço
neste meu coração a pulsar

E no amor assim envolvidos
esquecemos o mundo exterior
deixamos falar os sentidos

Sentimos a força do amor
e dessa armadura revestidos
afastamos de nós toda dor


UM SONHO EM FLOR
Guida Linhares

1/09/06

Ah! o amor...
um sonho em semente
surgido no gélido inverno
ao calor da emoção

Ah! o amor...
um sonho germinado
na terra bendita da ternura
em suave gestação

Ah! o amor
um sonho em botão
prestes a desabrochar
entrelaçado de paixão


Ah! o amor
que toda dor afasta
perfumando as almas
na primaveril estação

Ah! o amor
um sonho em flor
despertada a sua beleza
ao encontrar dos corações


Mas o Ballet de São Petersburgo não tardaria a resgatar a excelente partitura de Tchaikovsky. Após a encenação de dois de seus bailados - A Bela Adormecida e O Quebra-nozes, em 1890 e 1892, respectivamente - a música de O Lago dos Cisnes despertou grande interesse. Mas seria a morte do compositor, em outubro de 1893, que viria a precipitar sua primeira produção na cidade. Num concerto em homenagem à memória de Tchaikovsky realizado em fevereiro de 1894, o 2º ato do balé foi encenado, com coreografia de Lev Ivanov, então assistente de Marius Petipa. Antes de o bailado ser apresentado em sua integridade, foram realizadas profundas alterações no libreto e na partitura de 1877. Modest Tchaikovsky, irmão do compositor, revisou o enredo e Riccardo Drigo, regente do balé, editou o texto musical que seria a base da montagem completa do balé por Petipa e Ivanov, em janeiro de 1895.
 
SE ESTA DOR É MINHA...
José Geraldo Martinez



Se esta dor é minha...
Não chores por mim!
"Não há dor que não termine,
nem alegria que não tenha fim".


Esperarei por outro dia,
quando o sol bater em minha janela...
Um brotar viçoso das alegrias,
que hão de me esperar sentinelas!


Se esta dor é minha,
pouco importa quem causou!
Se ficaram as lembranças ribeirinhas...
De todo amor que em mim passou.


Terei a suavidade da pomba
branca...
A voar no azul do firmamento!
Para buscar do passado nossas
horas,
reviver em paz nossos momentos...


Não levarei uma réstia de mágoa!
Terei a tranquilidade de saber
que acabou...
A humildade de reconhecer os meus
erros,
aprendendo na lição que me deixou!


Se esta dor é minha...
Não chores por mim!
Eu quem haverá de carregá-la,
até que um dia tenha fim.


Terei a paciência do lago...
Que dorme pelos prados abandonados!
Esperando a abundância de suas
águas...
Com as chuvas que arrebentam teus
costados!


Para inundar de vida a secura,
dos meus dias de hibernação!
Do amor minguado sem razuras...
Na aridez do coração!


Espero um outro dia...
Como um náufrago as brancas praias!
Feito o filhote da grande àguia...
Que no penhasco o vôo ensaia!


Estarei de peito aberto...
Serei eterno combatente!
Para o recomeço de uma outra história...
Para meus dias de glória finalmente!


Estarei amando...
Serei amado!
Quando me lembrar, terei
um brando sorriso...
Será passado!

Esta produção deu início à carreira de O Lago dos Cisnes como o mais popular e mais amado dos grandes clássicos produzidos ou preservados pela companhia de São Petersburgo. Inevitavelmente, com o passar dos anos, a encenação foi sendo revista. Na Rússia, tivemos as várias produções de Alexander Gorsky em Moscou e, em 1931, a de Agripina Vaganova em São Petersburgo, com profundo efeito na estrutura do bailado. Para o Ballet Kirov, porém, a edição mais significativa foi a de Konstantin Sergeyev, em 1950, que preparou o caminho para a encenação atual, que combina o texto, conforme estabelecido por Ivanov e Petipa, com as emendas trazidas por Sergeyev, além do acréscimo de algumas danças realizado por Vaganova, e da Dança Espanhola do 3º ato, segundo criação de Alexander Gorsky.
 
CHUVA  QUE   ABENÇOA!
by Penhah Castro

 
 
Chove chuva, chove sem parar,
Mas cumpre a sua missão,
Lá fora alimenta a terra,
Aqui dentro, lava corações...

Chove nos corações dos amantes,
para varrer más emoções,
nas vidas dos viajantes,
nos sonhos frustrados,
na violência declarada,
nos deprimidos na vida,
nos órfãos do mundo,
nos sobreviventes de aposentadoria,
nos que na rua são mendigos.
nos que nos hospícios são chamados loucos...
Lava as almas dos desiludidos
dos que estão perdidos
de SI & de DEUS!
Lava as almas dos que ferem com palavras
dos que assassinam com seu ódio
dos que projetam tanto mal.....
Venha como um furacão,e lava todas as injustiças.
Renova todos os corações
das vidas dos que pedem pouco,
Fazendo-os SABER do muito que MERECEM...



O Lago dos Cisnes
Uma visão reflexiva na concepção de uma cantora lírica 
Wellen de Barros 

 
    ESTADO DE PAIXÃO
Caio Amaral



      Os verbos com pronomes
      que mais gosto são:
      Amar-te
      Pensar em ti
      Estar contigo

 
     Fantástico é o estado de paixão!
      Desperta a criança dentro de si
      Com as palavras ditas pelo coração

      A vida tem mais graça e alegria
      Tudo é realizado com mais satisfação
      É como se sonhar estivesse na ilha da fantasia

      É sentir como se o mundo todo girasse na palma da sua mão
      A vida brilha com as côres do arco-iris 
      Tudo é visto com muito mais emoção

      O amor é energia e a paixão é magia
      A vida é terna, cheia de fascinio e sedução
      Tudo tem mais brilho sob luz da harmonia

      Paixão é energia incontida, tem a força de um vulcão
      Dela, não se avilta e não se pode deter
      Eclode na alma com o vigor de um furacão


Uma atmosfera de sonho e realidade é criada através da genialidade coreográfica construída por Marius Petipa e Lev Ivanov. França e Rússia se unem através do seu legado. Mestre e discípulo compartilham
a magnitude proposta por Piotr Ilich Tchaikovsky.
 
A volta
Cássia Vicente
 
 
Ao passo redobrado
destrava o lânguido espaço...
nunca tivera tanto o que fazer
desde que abandonara o paço
voltando pro seu lugar
donde não deveria ter saído
em busca do desconhecido...
 
Correndo contra o tempo
perfaz vassoura e rodo, água e sabão...
mãos e pernas no compasso
da limpeza da sua dor,
recolocando o verdadeiro amor
dantes negligenciado...
 
Passado a limpo, varrido o espaço,
lustrado o pedaço,
vislumbra alegria por  vir...

Havia sempre algo a mais a ser explorado. Muito mais do que uma simples "árvore de Natal" - "O Quebra Nozes"; mais do que um sono profundo de uma jovem que aguarda ser despertada com o beijo do seu príncipe - "A Bela Adormecida"; ou do que uma donzela-cisne que precisa de um juramento de amor eterno para se livrar da maldição de um feiticeiro - "O Lago dos Cisnes".
 
Restos de Mim
Ilka Vieira


 
Eu tenho saudade de ti,
mas muito pouco sinto saudade de mim.
Já não procuro meus rastros
pelas areias macias...
Sei que descaminhei!

Eu penso em ti,
mas há muito não penso em mim.
Mal avisto as tristes metas
que me foram traçadas
e, por falta de opção,
cumpro-as sem ilustração.

Eu rezo por ti,
mas não rezo por mim.
Se Deus fizesse questão da minha fé
não teria substituído a minha mais rica alegria
por uma vida de apatia.

Eu te vejo,
mas escondo-me de ti.
Não tenho brilho nos olhos
e meu choro fechará o teu sorriso,
incentivará o teu silêncio
até que desistas de mim,
até que deixes de regar
o que resta do meu jardim.

Tchaikovsky, através de Odette e Siegfried, induz a repensar:
Como é o momento em que vivemos?
Quais as nossas prisões?
A solidão de Odette pode representar a solidão da alma humana?
Quais são as Odettes nos dias de hoje? E quais são os Siegfrieds?
Em "O Lago dos Cisnes" temos dois seres "aprisionados" - Siegfried e Odette. Um, pela mesmice da realeza aristocrática que forjou um príncipe de personalidade fraca e insegura. O outro, a total submissão muito bem camuflada na "capa" de um cisne, escondendo a real capacidade de um ser pensante, com as idéias próprias e os sentimentos nobres de um ser humano. No mundo atual,
 a identificação maior é com Odette ou com Siegfried?
 
MEU CASTELO
Eliane Triska


Venham! São todos convidados,
para meu castelo visitar
se qualquer um pode ver
outro qualquer pode entrar.
Deixo a todos... vazio
pra quem queira habitar!


 Venham brincar mas... cuidado!
Não se deixem  enganar
ora esconde ora se mostra
descubra o quê  encontrar.

Neste castelo encantado
de muito e fartos folguedos
uns cantam, outros gargalham
alguns me faziam medo.


São lindas e imensas salas
de largos e belos vitrais
Parto, mas bem de mansinho,
prá lá  já não volto mais!

Tem um secreto lugar
do sabido que não sei,
é em lugar não sabido
e lá que vive meu rei.

Vamos  serena nau,
acabou a brincadeira
a hora é de partida,
 nem ouço mais ninguém rir.
Pergunte ao mar e às estrelas
o que não sei perguntar:
se há VERDADE, é verdade,
  comigo não quis brincar,
 por que agora  con-vida
para com ela encontrar?

A quê se está aprisionado?
Aos contra-valores? Aos direitos da pessoa humana?
Tchaikovsky em "O Lago dos Cisnes" como grande romântico, cria uma expressão musical que introduz o espectador na temática principal deste drama, na imagem do cisne. A dualidade de Odette - Odille (aprisionada submissa - humana sedutora), contrapondo-se à irreverência maligna de Rothbart.
 Um duelo entre o bem e o mal.
 
QUENTE PERFUME
Wilson de Oliveira Carvalho


Não custa nada,
não é sacrificio algum
dizer que ainda te amo,
ninguém escutará mesmo,
nem você, eu sei...


O único motivo de preocupação
seria os outros,
que por não entenderem de amor,
talvez olhem com desdém.


Mas o que importa
toda esta altivez,
afinal minha alma sangra,
e ninguém vê.


As lágrimas que hoje
já não existem,
um dia cairam como torrente,
mesmo assim não houve
quem ficasse ao meu lado,
para enxugá-las...


Será que vale mesmo amar?
Por que será que o tempo
não permite fortalecer
um sentimento,
e quando
em seu auge têm que esmorecer?

Será que amar
é como uma tarde que
desfalece na
vastidão do céu?

Será que haverá solução
para os casos confusos de amor?
Creio que não, pois,
esse afeto reclama
pelas sarjetas que vem
sendo jogado fora...

Ah! O amor...
Como ainda pulsa
e arde
aqui dentro do peito,
o quente perfume de uma mulher...



QUEM TE PERFUMA
Lara Cardoso


Queria saber agora,
quem deixa o perfume na tua gola
e, se embriaga do mel de tua boca,
e te faz murmurar
as palavras que eram minhas
e invadiam nosso cio...

Talvez pudesse, assim,
refrear as lágrimas que me invadem,
as mesmas que não pudeste secar
fazendo-as um perfeito rio
que inunda este vazio,
que parece não ter fim;

Não sei mais, qual de nós dois
pode ter jogado fora,
se eu não te deixei ficar
ou se quiseste  ir embora...

Mas agora eu sei,
que é impossível te esquecer
e, pago a pena como único réu
por tudo o que falei...
Como testemunha apenas o céu....

 
 
E vem-nos a sensação de tédio como Siegfried e de solidão como Odette. Sem esquecer a figura do feiticeiro Rothbart, o todo poderoso manipulador
que deseja "deter" o destino de ambos.
Posteriormente, amor e sedução se completam na contribuição dada pela orquestra em que a essência de Odette, representada pelo solo do violino caracteriza a imagem do cisne, e a essência do príncipe Siegfried, representado pelo solo do cello, incorporam a tristeza de Odette, envolvendo a fragilidade humana de Siegfried.
O universo metafórico, proposto por Tchaikovsky, pode ser um grande auxílio para refletirmos na capacidade individual de transformar "aprisionamento" em sentido de vida.
 
 
Tempo
Tânia Ailene

Tenho admiração e contemplo você
Penso em falar, evito, sofro,
espero, que um dia coloque um fim,
nesta amargura.
O tempo que estamos perdendo
não será recuperado.
Erramos, desconfiamos e por tão pouco,
acabamos nos magoando.
Talvez seja tarde,
nem sei porque tudo aconteceu.
Vamos tentar sem promessas.
Fique à vontade,
me diga o que desejas de mim,
não tenho sonhos,
quero um tempo para mim.
Por nós.
Sempre terás teu lugar reservado,
tudo que eu não te dei,
poderia ter, se voltasse a ser diferente.
Não te darei carinhos nem afetos,
enquanto esta dor não sair do meu peito.
Agora que penso em ir embora,
você me faz juras e finge.
Pensou que eu seria enganada,
não foi consolo
morri em você.
Só fiz amor com você,
desfaleci em seus braços,
acreditei que eras sincero,
passamos dias e noites e você traiçoeiro,
foi tolo, fui sua caça.
Hoje você foi caçado,
Amor de mim não terás,
a falsidade doeu.
Sinto que ao acordar já não te procuro,
alucinada fiquei ao saber do que foste capaz,
arrasou meu coração,
o que foi escondido você descobriu.
Essa prisão sem grades e
promessas não concretizadas,
todas mentiras.
Quem ama não quer perder,
não magoa, não maltrata, não decepciona.
Achei que era para sempre,
hoje sei que quis sózinha,
lutei feito uma leoa,
investi todos os meus sentimentos,
apostei em você.
Em troca você foi indecente,
imoral, sem juízo.
Só não queria acordar e
ver o tempo passado, esquecido.
Você não pode atirar pedras,
já chorei, sofri, fui selvagem,
 omissa por você.
Me magoei,
só que desta vez doeu demais,
amanhã será jamais.
Preciso de tempo!

Não será verdade que voamos como pássaros,
mas não decolamos das insatisfações pessoais?
Mergulhar no Lago de Tchaikovsky é mergulhar no nosso lago pessoal.
Neste desenho musical na obra de Tchaikovsky, Cecília Kerche com sua elegância clássica, é alguém que transforma a angústia do seu personagem em algo transcendental, pela magnitude de movimentos cuidadosamente elaborados a cada nota. Libertando através de sua arte o universo individual do espectador. Expõe sua verdade íntima com a maturidade de uma diva somada ao requinte pessoal de uma grande intérprete.

Wellen de Barros
09/01/2005
 
Só o que quero...
Andréa Maia


Só quero te afastar da escuridão, sendo pequeno raio de luz a te guiar um caminho.

Só quero amenizar sua solidão, sendo a voz que preenche seu silêncio.

Só quero ser sua proteção, sendo as longas asas que te abrigam nos momentos de aflição.

Só quero te tirar do caos, sendo a paisagem mais perfeita que te encanta os olhos.

Só quero te libertar de grilhões do passado, sendo a verdade mais pura e presente.

Só quero afastar seus pesadelos, sendo seu suave sonho de paz.

Só quero ser o atalho que encurta a sua distância da felicidade.

Só quero sarar sua dor, sendo o beijo que te alivia o coração.

Só quero ser o seu desejo de bem-estar, bem-viver!

Só quero ser a amiga...o amor...

Só quero ser um amor amigo a tentar te fazer sempre um pouco mais feliz!

 
 

Se você sair peguntando ao povo que anda pelas ruas qual é o ballet que primeiro lhes vem a mente, com certeza achará "O Lago dos Cisnes" entre um dos mais cotados.
Também nós constatamos isso na pesquisa que aqui na página "Uma Bailarina..." realizamos, com maioria absoluta de votos para este grandioso ballet.
Mas por que grandioso?
Vamos verificar isto aqui =)
"O Lago dos Cisnes", com o passar dos anos e com a evolução do ballet tem se tornado o mais popular de todos. É o ballet que captura como nenhum outro todas as emoções humanas, da esperança ao desespereo, do terror ao carinho, da melancolia ao êctase. Baseado em um conto de fadas alemão, é um ballet em quatro atos, com a música de Piotr Ilyich Tchaikovsky.
 
Vazio Cálix
elisasantos



Em mãos... O cálix vazio em brinde!
Sorvido o vinho...Saciado o corpo,
Ficou a sede, nos lábios tremulam
As palavras que se perderam na volúpia

Nas asas da paixão, rubra e borbulhante
Mergulhou a alma e o gosto amargo
Tomou-me o corpo que em agonia
Vive à revelia da morte que chegou

Ontem verso vivo, hoje
Faço-me reverso e acompanho-me
Em brinde ao abandono que invisível
Enche o cálix nas noites sem amor!


Surpreendentemente após sua primeira estréia, "O Lago dos Cisnes" não foi muito bem recebido, se tornando um grande fiasco. Em sua primeira apresentação lhe deram coreografias pobres e o ballet foi condenado a não ter nenhum futuro promissor. A versão que sobrevive até hoje é o sucesso que dois russos juntos coreografaram. Eram eles Marius Petipa e Lev Ivanov, o brilhante coreógrafo que desenvolveu toda a idéia dramática central de uma moça presa em um corpo de um pássaro, sendo assim representado pela leveza dos movimentos dos rbaços da bailarina, as articulações de seus pés e a posição de sua cabeça e o alongamento do pescoço.
"O Lago dos Cisnes" conta a história do jovem Príncipe Siegfried (é, você leu certo, afinal a história se passa na Rússia, não é mesmo?), que se apaixona por Odette, uma rainha que foi transformada em um cisne por um feiticeiro malvado. Odette o explica que ela é destinada a permanecer como esta estranha criatura, até ser resgatada por um homem que jure amor eterno a ela.
 
Poema subterrâneo
m.s. cardoso xavier

Alma presa
E submissa
A grilhões
De antanho

Nudez da ignorância
Paixão sem amor
Amor sem paixão

O verso é pouco para falar
Desse universo
Seara vasta e dúbia

Se tantas batalhas
Perdidas
Como vencer a guerra?
E as guerras internas?
 

E a vida?
Esta longa e interminável
Estrada
Ora linear, ora sinuosa

Surpresas e imprevistos
Na caminhada
Rumo ao infinito
Onde o tudo
É o nada...

Encantado com a beleza dela, o Príncipe promete jurar amor eterno ao mundo. Mas logo em seguida, na festa em sua homenagem por seu 21º aniversário ele é enganado pelo feiticeiro, von Rothbart, declarando seu amor por Odile, uma gêmea malvada de Odette, o levando a jurar amor por ela. Quando ele se deu por si, correu de volta ao lago. Lá ele combate Von Rothbart e destrói seu poder e assim os apaixonados podem ficar juntos e felizes para sempre.
 

Nos meus sonhos
Graça Ribeiro



Nos meus sonhos eu te preciso
como o céu precisa das estrelas
para cobrir de luz os caminhos

Nos meus sonhos recebo teus sonhos
e os abraço, os enlaço em meus braços
e juntos vivemos o impossível do amor

Ah! Como eu te amo em meus sonhos!
Desfruto rios de prazer em teu corpo
ouço o silêncio deslizar em tuas mãos

Vivemos no sonho a ternura de amar
como se peixe e pássaro pudessem
um dia se apaixonar e se encontrar

Nos meus sonhos eu te amo assim
como se te amar não fosse sonho
e a vida acordasse dentro de mim.


Este é um dos mais tecnicamente difíceis balés, em parte pela honrosa bailarina italiana chamada Pierina Legnani. Quando ela se apresentou nos papéis principais de Odette/Odile, ela com toda sua hailidade conseguiu executar 32 fouettes de uma só fez. O público ficou tão impressionado com a agilidade da russa que a partir desta apresentação, qualquer bailarina que pegasse este papel deveria executar todos os 32 fouettes. O nome de Legnani até hoje é 'amaldiçoado' por bailarinas de todo o mundo por este fato. Ihihi...
Um fouette é um ágil movimento de giro em apenas um pé. Você assiste a tudo aquilo, acha tudo muito belo, mas não imagina o esforço da bailarina para permanecer no mesmo lugar enquanto executam este passo. Este não é o único motivo pelo qual eles são detestados. É principalmente por ele ser apenas uma 'atração de circo'. Eles só dão efeito, mas não há nada de emocional passado através do passo.
 
NINHO
Sérgio Diniz Barros Guedes

 Árvores nuas
 
penso em você,
 
folhas no chão
 
nosso colchão,
 
que tanto nos amamos,
 
procurando ninho
 
de cavalo
 
nas manhãs
 
com orvalho.
 
 E com um ballet tão cheio de emoções como "O Lago dos Cisnes", os movimentos devem revelar todo o personagem, tendo uma razão lógica.
Talvez "O Lago dos CIsnes" seja considerado tão difícil pelo fato de que a interpretação é um fator primordial para a essência do espetáculo. É difícil interpretar e se matar dançando ao mesmo tempo, mas naquele momento você não vive, e sim o personagem dentro de você. É isso que impressiona no balé e que faz com que muitas bailarinas percam papéis por não terem esta capacidade.
 
És meu sol
Inês Marucci



És tu amor meu,o sol que me acende
a esperança dormida querendo amar,
inventando o que o vento transcende,
a canção que faz minha alma levitar!

Já choramos juntos lágrimas de dores,
semeadas pelos mares afora que agora
é só paz de crianças dormindo, é flores..
Sonho doce parido na passada aurora!

Brotados do perdão que jamais negaste
vimos abrasarem os suspiros anelantes,
tão nossos quanto as aflições clamantes,
quando tu amor, minh’alma encantaste!

Ramos agrestes vão do verde ao dourado,
enquanto o meu coração,ah sol adorado,
em tua candura s’enfeita quer na sombra
ou no silêncio d’alma em amor desdobra!

História

Ato I: Um campina próxima ao castelo. É tarde. O Príncipe Siegfried organizou uma caçada para celebrar seu vigésimo primeiro aniversário. Os trabalhadores tiveram folga e organizaram um piquenique que o Príncipe prometeu ir, mas este foi interrompido pela Rainha, sua mãe, que o lembrou que era seu dever nesta sua maioridade de escolher uma noiva entre seis princesas. Quando o sol vai se pondo os trabalhadores vão indo embora. O Príncipe, triste em pensar que sua liberdade iria embora foi animado por Benno, que avistou alguns cisnes. O Príncipe, pensando que a noite é uma criança, vai à busca deles, e os outros caçadores vão embora.
 
...alma em semifusas confusa...
Véra Lúcia de Campos Maggioni
Vera&Poesia

Mundo hilário!?
 Egos superfaturados...em naves sombrias exaltados...
inflamados corpos,  instalam entranhas desgarradas de dó...
nem maior_DÓ_ nem menor...de grandeza exaltados arrogantes...
insensatos paralíticos de alma; orfãos...
Não é insolência! Pressinto indolência contemplativa em cometas falsos,
 apagados sentem suas luzes; enganados em si...por si...
Simplesmente, só são umbigo_digo, enquanto vivos_vivos?
Carne carcomida vira pó...o ego estagna num nó...afogado num rio só...
 então,  a história conte prá si só,  em arrogância de
aviltez_tez sua...nua_crua_fria escuridão_cria...da carne inerte...
Segue... burlando sua própria alquimia em figura-fundo confundida, como fica?
... em caminho avesso no qual tropeça_fogado  indigestamente:ego em eco?
eco de ego?- eco mudo...inaudível em ego estrangulado...sufocado...
Quem sabe, grite surdamente dito ego, na alma em semifusas confusa...mas,
insofismável...


Ato II: Algumas horas depois, à beira do lago. Enquanto o Príncipe Siegfried adentra a floresta para caçar, vê um belo cisne a voar. Ele cuidadosamente o mira, mas, para sua surpresa, o pássaro se transforma na mais linda das moças, e ele se esconde por entre as árvores para observá-la. Incapaz de conter sua curiosidade, ele aparece e a assusta. Ele assegura que nenhum mal irá fazer para com ela e a pede que explique o fenômeno que acabara de presenciar. Impresionada por sua gentileza, Odette revela a história de sua situação. Ela conta que é uma Princessa nascida em berço de outo que foi enfeitiçada por um feiticeiro malvado e agora sua sina é ser um cisne ; apenas em algumas horas do escuro é que ela se tranforma em humana. O lago em que habita foi formado pelas lágrimas de sua mãe. Ela conta que está condenada para a eternidade, e somente se um jovem virgem jurar eterna fidelidade a ela e desposá-la, só assim ela se libertará. Mas, se ele a trair, então ela permanecerá um cisne para sempre. Neste momento o feiticeiro aparece. O Príncipe apaixonado pega seu arco e flecha, mas Odette imediatamente protege o feiticeiro com seu corpo, pois sabe que se ele for morto antes do feitiço ser quebrado, também ela morrerá. O feiticeiro desaparece, e Odette se esconde na floresta. Siegfried percebe que seu destino está agora mudado. A alvorada começa a aparecer Odette é tomada mais uma vez pelo feitiço, retornando a seu disfarce de cisne. Siegfried vai embora desesperado.
 
Sonhos Sem Fim...
Ivete Tayar
 
Ah! Que sonhar nunca termine
Sonhar é válvula de escape
Sem ele não existiria a fantasia
Sem fantasia adeus poesia


 
Sonhar traz alegria
Do poeta a maresia
Sem sonhos a vida seria vazia
Adeus vida e poesia


 
Que a criança interna seja presente
Criança é fantasia inocente
Vale a pena por ela ser gente

 
Amar ainda é o melhor sonho
Sem amor o sonho não existe
E ele não pode ter fim...


Ato III: A noite seguinte, no Salão de Festas. Convidados de muitas realezas aparecem para a festa de aniversário, incluindo as seis princesas e seus dotes, de que a Rainha Mãe escolhera como eligíveis esposas para a mão de seu filho. A Rainha ordena que o entretenimento comece, e então convida as princesas a dançar. O Príncipe dança com cada uma. Sua mãe então o ordena que se decida, mas ainda com a memória de Odette, ele recusa todas, para desgosto da mãe. A fanfarra anuncia então a chegada do Barão Von Rothbart com sua filha Odile. Siegfried, que se encanta com a beleza de Odile é seduzido por sua semelhança com Odette, e declara seu amor e fidelidade a ela. Rothbart e Odile, triunfantes, revelam sua decepção, e Siegrfried percebe que foi vítima de um plano malvado. Ele corre então no meio da noite.
 
Quero ser
Candy Saad

Quero ser uma estrela
iluminar sua estrada
de madrugada

Quero ser a lua
Inspirar você
nos poemas de amor

Quero ser a música
que eleva sua alma
e trás a paz

Quero ser a flor
que exala o perfume
numa manhã de primavera

Quero ser forte
te impulsionar
sempre que precisar

Quero ser frágil
ser dependente
nos seus braços me refugiar

Quero ser
sua cúmplice
no amor,na dor,no tesão

Quero ser
 tudo 
para você
que meu tudo é...


Ato IV: À noite na beira do lago. Todos os cisnes estão ansiosos pelo desaparecimento de Odette. Ela aparece e conta do plano de Rothbart, dizendo que antes do amanhecer ela deve morrer. Houve-se o barulho de um trovão. Siegfried a acha e implora seu perdão. Enquanto o amanhecer se aproxima, Rothbart aparece mais uma vez disfarçado de feiticeiro. Odette conta a Siegfried que ela deve se matar, ou então será eternamente um cisne. Siegfried, sabendo que seu destino está mudado para sempre, declara que ele irá morrer com ela, assim quebrando o poder de Rothbart. Os apaixonados se jogam no lago. Rothbart recebe um choque mortal e todo o seu poder está acabado. Enfim, o casal estará unido para
 
LAGO DOS CISNES
J.G. de Araujo Jorge

Foram meus olhos, duas asas tontas
que ao teu redor, como ao redor da luz
queimaram suas ânsias e ficaram
mortos no chão, como cigarras mortas...

No bailado em que estavas, sobre o palco,
meu desejo - esse fauno de alma triste,
tomaria teu corpo e bailaria
até que o mundo se fundisse ao sonho...

Olhos de luar e vinho que me seguem
na ária da solidão em que me envolvo
sem volta, sem partida, sem transcurso...

Foram meus olhos que te descobriram
e ficaram vagando esse abandono
de cisne branco sobre o lago imenso...


 
Pesquisas:
http://www.portaldafamilia.org/artigos/artigo315.shtml
http://www.geocities.com/Hollywood/Lot/8182/lago.html
http://www.mediamania.com.br/secundarias/kirov2/miolo8.htm
 
tchaikovsky_ o_lago_dos_cisnes.mid
 
TTNeves e Rivkah